sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Que merda!

Eu um dia ainda morro engasgado. Se um dia derem pela minha falta, aqui, é provável que tenha "batido a bota" com alguma coisa atravessada na "goela".
Começou tudo com uma infecção hospitalar que apanhei na intervenção cirúrgica ao pulmão. Ao segundo dia comecei a sentir-me doente. Doente já eu estava, mas comparado com o que estava para vir, a operação foi uma brincadeira.
Apesar da febre e da tosse, ao 6º dia devem ter "carregado" no Paracetamol" e deram-me alta. Aí começou aquilo que eu supus ser a caminhada final. Sempre com a febre e a tosse a evoluírem para níveis insuportáveis – com um corte que ia quase do mamilo até a pouco mais de cinco centímetros de coluna, com a pleura recém-cortada a colar-se aos órgãos vizinhos e com uma costela fracturada durante a cirurgia, dói só de pensar em tossir – pensei que me tivessem mandado para casa para morrer, como fazem nos casos em que já não há nada a fazer.
Ao fim da primeira semana perdi a fala e a expectoração, que se tornara líquida, misturada com o vómito começou por provocar uma reacção defensiva ao nível da epiglote, que se fechava de tal modo que não conseguia respirar. Passaram-se coisas muito más e demasiado "feias" para pormenorizar aqui e já em Stª. Maria, para onde mais tarde pedi a transferência do meu processo (porque me recusei a voltar ao hospital que me operou), continuaram a tosse e os episódios de bloqueio respiratório, de tal modo que ao fim do internamento fiquei com a úvula (aquela "pendureza" que temos à entrada da garganta) tão dilatada que me engasgava com ela. Mas o pior dos "engasgos" eram com a comida. Acho que nem são bem "engasgos". Bastava água, saliva ou mesmo ambientes com muito fumo e a "válvula" fechava-se. Tive de ensinar a dona Galinha a fazer a "Manobra de Heimlich" - especialmente indicada para expulsar objectos estranhos das vias respiratórias – e passei a evitar ambientes frequentados por fumadores e a tentar manter a calma, coisa que se torna difícil quando começamos a pensar que bastam 4 / 5 minutos sem oxigénio para se "apagar o maçarico" definitivamente. Mesmo durante as constipações, basta-me uma noite com o nariz obstruído e começo a entrar em pânico e a dar por mim a saltar da cama com uma sensação de claustrofobia, como se tivesse uma laje em cima do peito.
Aos poucos fui melhorado. Reaprendi a engolir, evito falar quando como e já vou tolerando ambientes mais "carregados", mas quando como sozinho tenho sempre muito cuidado.
Porém, não percebo porquê, nas últimas semanas acho que estou pior. Os "engasgos" que já eram raros, passaram a ser frequentes e começo a encarar as refeições com alguma apreensão. É quase como estarmos a aprender a andar de bicicleta e montarmos mentalizados que vamos cair de seguida.
Há dias senti-me mal durante a noite. Tinha comido castanhas e a agua-pé não estava grande coisa. Precisava de "gritar pelo Gregório" mas estava sozinho na casa de banho e não me aventurei. Desde 2005 que não vomitava e receava uma reacção idêntica. Juro que não foi pieguice. Eu fui sempre sozinho às consultas, mesmo quando atravessei a pior fase e tinha de ir ao hospital mudar o penso, ia a conduzir e demorava uma eternidade a subir a rua até ao estacionamento, sempre em pânico, não fosse dar-me um ataque de tosse no caminho, mas desta vez tive de acordar a dona Galinha para me "ajudar" a vomitar.
Dassssssse! Já nem me atrevo a vomitar sozinho.

9 comentários:

Olhos Dourados disse...

Não é fácil. As melhoras!

mjf disse...

Olá!
Vale sempre a pena ter uma galinha por perto...sr galo...
Espero que o fim de semana te ajude a recuperar:=))

Beijocas

Little Monster disse...

Epá.. que descrição, minha nossa! O importante é estares melhor ainda que precises de ajuda para vomitar :/

Melhoras...

Lia disse...

bem.... mas pelo menos já estás melhor, o que é bom!

Jocas

mfc disse...

Percebo-te muito bem.
Eu faria o mesmo.

dinona disse...

Ai.. fiquei aflita com o teu relato.

Espero que isso te passe depressa, porque não deve ser nada bom andar sempre com receio :(

É uma fase, há-de passar!

beijocas

Liliana disse...

As melhoras...

Patrícia disse...

Fred, o Galo... a cabidela só com galinha, do campo. A tua já é da cidade, e tu és um galo. Portanto trata de te abanares... isso cheira me a ansiedade, ou algo parecido.
Beijinho enorme1

Carla disse...

Vomitar é mau, muito mau. Pelo menos para mim que parece que vem tudo atrás. AS melhoras**