sexta-feira, 4 de setembro de 2009

Perdoai-lhes Senhor, são gajos... :=)

Pois é verdade, eu ando um bocadinho preguiçoso até para escrever.
Como sabem, os gajos são assim um bocado de manias e eu, como bom exemplar que sou, faço jus a essa regra como ninguém.
Então a minha última mania (já tinha deixado aqui um "lamiré" sobre isto), além das obras na casa da aldeia, que me deixam fisicamente de rastos (hoje acordei como se me tivesse passado um camião por cima :D) e parece nunca mais terem fim, é corrigir legendas de filmes do crioulo brasilês, para algo mais próximo do português. Quanto mais não seja corrigir os erros ortográficos, pois aquelas "abéculas" nem sabem escrever sem erros.
Uma das coisas que me irritam e que eu não consigo entender no crioulo brasilês, é o facto de eles trocarem o acento agudo pelo acento circunflexo, como no exemplo seguinte: "astrónomo" --> "astrônomo".
É um facto que, mesmo dentro do país, existem diversas pronúncias e ninguém espera que um transmontano pronuncie "astrónomo" da mesma maneira que um algarvio. No entanto, sendo que todos andaram na escola e como seres minimamente inteligentes, aprenderam a escrever correctamente em português. O resto, aquela bosta que aparece por aí como sendo português (BR), que troca a acentuação, substitui "essa" por "esta" e vice-versa, e parece não ter regras na utilização dos tempos verbais, não passa de um irritante chorrilho de gatafunhos ininteligíveis. Isto para não entrar na tradução propriamente dita, pois até um "analfabruto" na matéria, como eu, que dei apenas seis meses de inglês no Curso Geral de Mecânica da Escola Afonso Domingues, tirado em adulto como aluno auto-proposto (ai como fazem falta os cursos técnicos a sério, nesta sociedade cultora da mediocridade…), ouço aquilo e fico estarrecido.
Quédzer, nem é preciso ir para Cambridge para saber que "pollination with honey bees", não se traduz por "polinização por mel de abelhas", ainda para mais quando se coloca, airosamente, uma nota "Legendado por: Fulano e Fulana", em maiúsculas e em cor berrante, a não ser que a intenção seja impressionar labregos nordestinos, amantes do churrasco e do "forró" domingueiros, na varanda do T2 de uma qualquer cidade dormitório dos arredores de Lisboa.
Mas a culpa não é deles. A culpa é dos políticos manhosos que temos, que aceitaram um acordo ortográfico que assassina a ancestral língua de Camões, a troco de uns barris de petróleo da "Petrobras", ou pela intervenção da "Embraer" naquilo que, a par da compra de submarinos, foi obra de destaque do ministério cor-de-rosa de Paulo Portas: o desmantelar da indústria de reparação aeronáutica de prestígio internacional, das OGMA (Oficinas Gerais de Material Aeronáutico).
Menor será ainda a admiração, em relação aos brasileiros, se tivermos em conta que os filhos dos emigrantes de Leste conseguem ser melhores alunos de português do que os próprios portugueses, faça a Ministra da Educação os auto-elogios que fizer à reforma do ensino.

Enfim, para quem se acha preguiçoso, deixar um "testamento" destes, onde se fala de quase tudo menos daquilo que era a ideia original, acho que não está mal de todo ;PPP.

Antes que me esqueça, para aquela querida (a estagiária) que deixou o reparo à falta de uma nota informativa sobre se era, ou não, brincadeira o post "Pois não, pois não, o mal não é dos sapatos!, aqui fica:
- Meus amores, o que seria do Mundo sem as gajas!?!?!? eheheh

5 comentários:

a estagiária disse...

E a façanha repete-se...
Depois de um post em que maltratas as mulheres, (sim, maltratas.. porque mesmo chamando-me querida (já agora obrigadinha.. :) ) e dizendo que o Mundo sem gajas não seria o mesmo, o que é uma verdade de La Palisse.. (pois claro que não seria...) acabaste por gozar à grande connosco.. ) e em que eu me indigno contigo, eis que surge o post em que eu concordo absolutamente com tudo o que dizes...

Anjo De Cor disse...

Eu estive 13 anos na venezuela, fiz a ensino primário todo até o 8ano lá e quando cheguei cá nem uma palavra dizia em portugues mas em 2 anos já falava razoavelmente português sem se notar que alguma vez estive fora do pais, contudo conheço gente brasileiros e até venezuelanos que estão cá há uma pipa de anos e ainda não falam português, um pouco inacreditavel.
Quanto a história das gajas diria que um mundo sem mulheres era um mundo sem cor, não achas? umas usan cores pasteis, outras cores mais fortes ...

Bjs e bom fds ;)

Pronúncia disse...

Não me peçam para aderir ao Acordo ortográfico. Recuso-me a escrever fato em vez de facto e por aí fora (se bem que esta palavra até parece que não vai mudar)...

Quando leio coisas em brasileiro (sim, não foi engano, aquilo para mim é brasileiro, não é português) até me arrepio... e os erros?! a não distinção de singular e plural?! A conjugação de verbos?... um horror!

Eles escrevem como falam... assim é fácil

Bom fim de semana

S* disse...

Que as gajas são importantes ja toda a gente sabe... tiveste de sair de algum lado, não? :P

*_Clave de Sol_* disse...

O Mundo sem gajas seria como umas cuecas sem elásticos! :P

Bjinh*