terça-feira, 24 de novembro de 2009

A Saida do Panhonha

Saída de Vítor Constâncio para Frankfurt ganha consistência

Como já vamos estando habituados, porque vivemos no país do "quanto pior, melhor", lá vai mais um a caminho de uma pré-reforma dourada.

Acho bem! O BCE fica "muito bem servido" e o Banco de Portugal vê-se livre do incompetente do ca#alho que deixou os banqueiros portugueses irem-lhe ao cu todos os dias e nunca deu por nada.

Levem esta cambada toda "lá prás europas", que ainda por cá fica muita m#rda.

13 comentários:

mjf disse...

Olá!
Fez asneira da grossa...e ainda leva recompensa:=(((

Beijocas

Sara disse...

Realmente........ é o que se assiste!!!!

dinona disse...

Os incompetentes são sempre recompensados.

Eu cá gostava é que toda a chungalhada que está no governo fosse demitida para o olho da rua e com a reforma mínima, porque enquanto eles estiveram na sua vida activa não deram uma para a caixa.

Belinha disse...

isto é sp assim...fazem a merda e ainda são promovidos!

S* disse...

Oh que chato...

Galo disse...

S*

Chato quem? Ele ou eu?

Lizzy disse...

Os que fazem merda é que são bons. É desses que se ouve falar!

Malena disse...

Sem comentários! ;-)

Liliana disse...

O pior é que eles vão para lá e lixam-nos na mesma, porque também somos das europas...

Pronúncia disse...

Pena ir tão sozinhos.

Arranjava-lhe companhia num instante. Por mim faziam uma enorme excursão e desamparavam todos a loja de vez... podia ser que isto melhorasse um bocadinho!

:)

Asiram disse...

mas que merda é esta ein? esse homem só faz é merda....lool


olha sr galo pensa lá bem na massagem para a sinusite tá bem?? loool

MarKekas disse...

Uau.. que fixe.. pelo menos vemo-nos livres desse monte de merda!! Pena ele não ir directo para uma solitária sem água e comida durante uns meses.. juntamente com mais uns quantos abutres sangue-sugas incompetentes que por ai andam!!

teiasonhos disse...

lembro-me sempre dos Contemporâneos, quando olho para este homem.
Os grandes safam-se sempre, em tudo. Com um pobrezito, ias ver se a justiça não era severa. Enfim.
*