quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Coisas que me deixam triste

Aqui o Galo anda um bocado deprimido. Não na verdadeira acepção que, normalmente, se dá à palavra depressão, porque eu não sou de ficar prostrado, a olhar a corda com que me vou enforcar. Essa fase já a passei à muito tempo e posso garantir por dois anos, como manda a lei, ou até com uma extensão de garantia até aos cinco anos (mediante pagamento a combinar lol), que deixei de imaginar o meu corpo a baloiçar na ponta de uma corda, desde o dia em que a morte anunciada me fez ver que a vida é uma merda tão efémera que não vale a pena perder tempo a planear a morte.
A puta pode aparecer disfarçada numa simples bola do tamanho de um berlinde e por isso o melhor que temos a fazer, é aproveitar para viver enquanto estamos vivos, porque vamos ter muito tempo para estar mortos (frase digna de uma Lili Caneças, ou melhor lol).
Mas, independentemente da depressão dar para "encornar" ou para escoicinhar (que é o meu caso eheheh), há, nestas alturas, coisas que nos deixam mais tristes do que nos dias "normais" (ainda que até hoje ninguém me tenha esclarecido acerca do que é essa treta da normalidade).
Hoje, ao visitar uma amiga, encontrei um texto muito triste. Um texto que é o apelo de uma filha a um pai incapaz de perdoar ou, quanto muito, compreender os tropeções a que todos nós estamos sujeitos. O apelo de uma filha carente de um simples abraço.
Eu tenho uma filha de quem me orgulho muito. Como filha, como pessoa, como "profissionalona" que trabalha 18 horas por dia e, do mesmo modo que me revejo em tudo o que ela faz de bom, porque foi tudo o que eu lhe ensinei, se for o caso, estou disposto a assumir parte dos seus erros como falhas minhas. Falhas na educação, na formação que lhe dei, ou deveria ter dado.
É sempre ingrato pormo-nos no lugar de alguém, especialmente quando só conhecemos um lado da questão. Mas se não formos nós, pais, a perdoar os erros às nossas "crias", um dia vamos acordar e elas já foram devoradas pelas feras.
Termino com o mesmo apelo que deixei num comentário ao post.
Dêem todo o carinho enquanto vivos, porque se não distribuirmos todo o carinho pelas nossas meninas, nos momentos em que elas mais precisam, um dia morremos e o carinho que sobrou não vai caber no caixão. E ainda que caiba, não vai servir-nos de nada. As minhocas, como invertebrados estúpidos que são, nunca vão "comer" essa parte do caixão.

10 comentários:

opinião própria disse...

Está estupendo o post. Parabéns.

Cat disse...

Oooh! Adorei este texto sentido! :')

Lia disse...

e foi neste momento que fiquei sem palavras e com a lágrima no canto do olho...obrigada!

Eu Penso disse...

Boas,

Eu também li esse post, li com atenção. Quem nunca temos pensamentos do género, mesmo que tenham (sejam) por segundos? Eu já!
Agora estou do outro lado da "barricada", acerto, falho, presente, ausente, por mais que queiramos, haverá sempre lacunas, o importante é termos a noção exacta do erro e corrigir!

Cmp's
Kaja

Sara disse...

Por um lado, tenho pena de nao ter lido o post que referes, por outro, ainda bem, pois essas coisas deixam-me mesmo muuuito triste.
Já me enviaram dois emails que me fizeram soltar algumas lágrimas, um é "o diário de um cão" tadinho ele é cachorrinho e todos gostam dele, acha que o seu nome é não, pois só faz traquinisses como qualquer cachorro que se preze, até que é abandonado :(, o outro é uma carta duma criança, que se chama Sara, que o pai lhe bate tanto tanto, que um dia a mata.....
Infelizmente nente mundo muita gente não entende que o afecto, o carinho, e a atenção, são mais importantes dos que os euros ou outra coisa qualquer.
Se gostam de alguém, digam, não deixem para amanha pois pode ser tarde de mais.
Gostei muito do teu post, desculpa lá o meu comentário ser tão grande, mas são coisas que mexem comigo

Belinha disse...

Gostei do teu post... as pessoas na sua grd maioria pensa mais nos euros que quer embolsar do que propriamente no carinho e afeto que podem dar aos outros... só se lembram qdo é tarde.

S* disse...

Oh... o galo tem sentimentos. Nada como o fim de semana para acabar com a onda depré.

teiasonhos disse...

Quando há falta de comunicação de uma das partes, por vezes torna-se complicado.

Malena disse...

Gostei de ler este post! Acho fantástico que te orgulhes assim da pintainha e que lhe perdoes eventuais tropeções. Eu tb me orgulho da minha cria e já tive que a abraçar muitas vezes quando me apetecia esbofeteá-la. Tirar com uma mão mas dar com a outra, é o meu mote. Posso até castigar mas carinho é que não vou negar nunca! E não me tenho arrependido porque vejo sempre que os princípios transmitidos não se diluiram.

MarKekas disse...

Eu queria dar opinião, mas parte das minhas crias ainda está a saltar aqui nos meus tintins! lol

Post estupendo Galo.. sem tirar nem por! :o)